Buscar
  • Ronaldo Rodrigues

Música para músicos: estratégia para se comunicar (cont.)

Ronaldo Rodrigues | Tecladista | Gravações


Fazer música pensando que outros músicos podem ser uma fatia considerável do seu público requer uma estratégia própria de comunicação. Lembre-se que os músicos (estudantes, hobbistas, profissionais) são uma fração bastante qualificada da sua audiência em potencial - eles ouvem e valorizam música de qualidade e tem um interesse por música muita acima da média do público em geral. Não se pode pensar nos outros músicos como "concorrentes", mas vê-los como quem ouvirá sua música na medida em que uma comunicação amigável for estabelecida, levando em conta um certo grau de troca. Os insights aqui apresentados são direcionados para quem está começando do zero no sentido de formar uma base de apreciadores e espectadores pelas redes sociais e não tem receio em "meter a mão na massa" por acreditar que não existe solução mágica para formar audiência.


Entrando um pouco mais no detalhe dessa comunicação, podemos dividir o assunto em alguns níveis. O primeiro é a formação de uma rede robusta de contatos no meio musical, com a qual haja interação real. Você tem seus colegas de banda (inclua-se aqui os ex-colegas) e amigos do meio musical que produzem conteúdo musical com frequência - postam vídeos tocando, ensaiando, comentam sobre suas influências, divulgam seus lançamentos e shows, etc. Tão mais forte e valiosa será essa rede de contatos para o seu lançamento (álbum, compacto, vídeo, etc.) ou evento quanto mais você interagir com o conteúdo que eles geram. A interação tem que ser autêntica e ter uma certa densidade, com uma participação ativa, um elogio sincero e generoso destacando o que te chamou mais atenção, ou uma crítica honesta e com palavras não-ofensivas, etc. Esse grupo é o seu primeiro público - são de fato seus colegas de trabalho. É preciso cativá-los para que eles lhe ouçam com satisfação e boa vontade. E esse é um trabalho que deve ser feito com uma certa periodicidade. O restante fica a cargo da qualidade do que você apresenta a eles.


O segundo nível é o dos amigos dos amigos, ou os contatos dos contatos. Uma forma de conseguir extrair informações sobre isso é você analisar cuidadosamente as postagens dos seus amigos ou de músicos que você admira. Veja quem comenta esse conteúdo e o teor do comentário. Por ali, você pode ver uma (ou várias) pessoa(s) em potencial que pode(m) gostar do seu trabalho, seja por se interessar por música feita por outros músicos, seja por ter um interesse por um estilo musical parecido com o que você executa. Aí você pode tentar uma aproximação - seguir essa pessoa nas redes sociais (ou se inscrever em seu canal) e interagir com ela. A reciprocidade não é garantida, mas pense que essa é uma estratégia que não custa absolutamente nada além de tempo e uma conexão de internet que você já pagaria por outros motivos.




O terceiro nível é o de músicos fora desse círculo expandido. Você pode conhecê-los através de uma hashtag que segue no Instagram, de um grupo de músicos e bandas que você faz parte no Facebook, de um post patrocinado nessas redes sociais, de um vídeo relacionado ao que você pesquisou no Youtube (todas essas atividades devem fazer parte da sua rotina nas redes sociais). Nesse caso, a interação pode se dar por meio de comentários que você realiza nesses conteúdos, assim como descrito nos parágrafos anteriores, mas também pode se dar com a proposição de alguma forma de colaboração. Faça isso com alguém que você realmente tenha gostado do trabalho, da técnica, do estilo. É importante ser sempre autêntico e sincero. Você pode, por exemplo, propor gravarem um vídeo juntos tocando uma música em tributo a algum artista, fazer um improviso juntos, chamar para uma live, etc. Se a sua abordagem for bem sucedida, você pode potencialmente ganhar: 1) uma pessoa que tomou conhecimento de você e do seu trabalho, e que pode ser inserida nos dois grupos acima; 2) uma pessoa que vai divulgar você nas redes sociais dela, para pessoas que você não conhece/tem contato. Esse tipo de estratégia tende a não funcionar com músicos que já tenham muita reputação; pense que você precisa conversar com seus pares primeiro, pessoas que estão mais ou menos no mesmo nível da carreira que você, seja em visibilidade, seja em técnica.


Em suma, o ponto principal para se ter outros músicos como plateia é interação. Audição de material alheio, comentário, conversa, troca, parceria. É um caminho trabalhoso, mas que pode gerar bons e duradouros frutos para sua carreira musical.


Ronaldo Rodrigues | Tecladista | Gravações


19 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo